BRASÍLIA | Fonte: Assessoria de Comunicação do CFM

VI Congresso Brasileiro de Humanidades Médicas

20767914_1476274045813312_1830580379807990351_nA necessidade de resgate do médico humanista e o que está sendo feito em sala de aula para que as novas gerações vejam o paciente e não apenas a doença foram debatidos na manhã desta quinta-feira (10), nas duas primeiras atividades do VI Congresso Brasileiro de Humanidades Médicas, promovido pelo Conselho Federal de Medicina (CFM), em Brasília, nos dias 10 e 11 de agosto. Ao anunciar a primeira conferência, o presidente do CFM, Carlos Vital, afirmou ser constante a luta pela humanidade na prática médica e lembrou que “apesar dos avanços científicos, o médico será sempre um cuidador de homens”.

O primeiro conferencista foi o ex-presidente do CFM, Roberto Luiz d´Avila, que na sua gestão promoveu, em 2010, o primeiro congresso sorbe o tema. Professor da Universidade do Sul de Santa Catarina (Unisul), Roberto d´Avila mostrou como procura sensibilizar, em sala de aula, seus alunos. Usando indicações de livros, filmes e artes visuais, o professor busca fazer com que seus alunos vejam o outro. “Como é uma disciplina optativa, os alunos não pagam para cursá-la, há alunos que deveriam estar ali e não estão e outros que não precisariam, pois têm uma empatia natural com seus pacientes, mas que lá estão”, relatou.

Roberto d´Avila definiu humanidades como um conjunto de disciplinas que contribuem para a formação do ser humano, independentemente de qualquer finalidade utilitária. “Sinto arrepios quando me deparo com os chamados programas de humanização. Não se humaniza por decreto. É preciso sensibilizar o médico a ver o outro”, afirmou. A arte, para o professor e ex-presidente do CFM, é um dos caminhos para essa sensibilização. Em suas aulas, Roberto d´Ávila pede para seus alunos lerem e resumirem textos de escritores médicos como Guimarães Rosa e Tchekhov, ou de outros que falam da relação médico-paciente, como Tolstoi. Também são debatidos filmes como “Peixe Grande” e “Minhas tardes com Margueritte”. “Os resultados têm sido muito bons, tanto que alguns dos meus alunos vão apresentar trabalhos neste Congresso”, congratulou.
A conferência de Roberto Luiz d’Avila pode ser acessada aqui.

Artes Plásticas – A palestra seguinte foi dada pelo professor da Faculdade de Medicina da Universidade Federal de Santa Catarina Ylmar Corrêa Neto, que falou sobre “A medicina e as artes plásticas”. Ylmar apresentou imagens de várias telas que apresenta em sala de aula para sensibilizar seus alunos. “Ao mostrar um quadro de um médico tirando o pulso de um paciente lembro para esses alunos que ao fazerem o mesmo eles estão encarnando mais de mil anos da nossa profissão”, contou.

As artes plásticas também são usadas para ajudar o aluno a encarar o desafio da morte. “É melhor que primeiramente o aluno entre em contato com ela pela arte, antes de encará-la na dureza de uma enfermaria de hospital”, argumentou. Ao final da palestra, Ylmar Côrrea apresentou o vídeo “Meat Man”, de Diego de los Campos, que mostra a decomposição de uma escultura feita de carne moída. “As imagens são fortes, mas nos ajudam a pensar sobre a finitude da vida e sobre o quando devemos ter uma atitude humanizadora diante do nosso paciente”, afirmou.
Acesse aqui a apresentação de Ylmar Corrêa Neto.

O VI Congresso Brasileiro de Humanidades Médicas continua à tarde e amanhã com palestras e oficinas. A solenidade de abertura será nesta quinta-feira (10), à noite.

Tags :
Gostou ? Então deixe um comentário abaixo.